ADVERTISEMENT
3 /3 FREE ARTICLES LEFT THIS MONTH Remaining
Chemistry matters. Join us to get the news you need.

If you have an ACS member number, please enter it here so we can link this account to your membership. (optional)

ACS values your privacy. By submitting your information, you are gaining access to C&EN and subscribing to our weekly newsletter. We use the information you provide to make your reading experience better, and we will never sell your data to third party members.

ENJOY UNLIMITED ACCES TO C&EN
 

Infectious disease

A dexametasona parece ajudar casos graves de COVID-19

O esteroide barato e bem estudado pode oferecer aos médicos outra ferramenta na pandemia de coronavírus

by Lisa M. Jarvis
July 22, 2020 | APPEARED IN VOLUME 98, ISSUE 24

Acesse todo o conteúdo em português da C&EN em cenm.ag/portuguese.

Um antigo esteroide barato parece ajudar alguns dos pacientes mais doentes com a COVID-19 a sobreviver, de acordo com os primeiros resultados de um estudo realizado em hospitais do Reino Unido. Os dados, que estão apenas parcialmente disponíveis e não foram submetidos à revisão por pares, sugerem que a dexametasona poderia tratar a reação exagerada do sistema imunológico que ocorre nos casos mais graves da doença respiratória.

09824-scicon50-dexa-pt.jpg

Até agora, o estudo do Reino Unido, denominado de RECOVERY (Avaliação Aleatória da Terapia da COVid-19), registrou mais de 11.500 pacientes com COVID-19 que receberam aleatoriamente um dos vários tratamentos. Desses, 2.104 pacientes receberam uma dose baixa de dexametasona, disponível como pílula e tratamento IV, por 10 dias. A droga reduziu as mortes em um terço nas pessoas que usavam ventiladores e em um quinto nas pessoas que precisavam de oxigênio, em comparação com as 4.321 pessoas no estudo que receberam tratamento padrão.

09824-scicon50-pills-pt.jpg
Credit: Fotoarena/Newscom

Até o momento, o único medicamento adicional com efeito clinicamente comprovado sobre a COVID-19 é o remdesivir da Gilead Sciences. O antiviral mostrou-se capaz de reduzir o tempo de hospitalização, mas não foi comprovado que reduz o risco de morte.

Especialistas em doenças infecciosas estão entusiasmados com o fato de que um medicamento barato e usado por muito tempo possa ser útil no tratamento do novo coronavírus, que já custou mais de 440.000 vidas.

Mas eles permanecem cautelosos com o conjunto de dados limitado. “Estou intrigado com esses resultados e gostaria de ver todos os dados; ele certamente tem o potencial de alterar a maneira como os pacientes são tratados”, diz Warner Greene, virologista do Instituto Gladstone de Virologia e Imunologia. Como outros entrevistados pela C&EN, Greene estava descontente com a maneira como os resultados foram divulgados - com um comunicado de imprensa em vez de um manuscrito completo, revisado por pares. Mas, diferentemente de muitos estudos em andamento em meio à pandemia, ele observa, o estudo tem um design robusto.

Quando nosso sistema imunológico está funcionando adequadamente, ele encontra um equilíbrio entre “processo inflamatório rápido e eficaz que destrói ou controla o vírus e o feedback negativo que interrompe a inflamação excessiva, permitindo que nosso corpo limpe as células infectadas e recupere os tecidos danificados”, explica Gil Mor, imunologista da Wayne State University.

A infecção por coronavírus se torna mortal quando a resposta imune ao vírus não é controlada e, como Mor descreve, “a inflamação traz cada vez mais inflamação” em um ciclo de feedback que sobrecarrega o corpo.

Support nonprofit science journalism
C&EN has made this story and all of its coverage of the coronavirus epidemic freely available during the outbreak to keep the public informed. To support us:
Donate Join Subscribe

A dexametasona funciona suprimindo ampla e poderosamente essa resposta. O fato de parecer fazê-lo com segurança e eficácia surpreendeu alguns. “Tenho uma certa cautela por causa da literatura anterior”, diz Greene. Os esteroides têm um passado precário no tratamento das exageradas reações imunológicas graves que ocorrem em outras infecções, incluindo a SARS (síndrome respiratória aguda grave). Ele observa que uma diferença é que em surtos anteriores, os pacientes receberam doses altas de esteroides, enquanto este estudo ofereceu doses baixas.

As empresas farmacêuticas estão testando uma série de medicamentos mais recentes que atenuam participantes específicos nessa resposta imune, uma abordagem que muitos esperavam ser mais segura do que os esteroides. Os pesquisadores apontam que o estudo RECOVERY também está testando um desses imunomoduladores mais precisos: o inibidor da IL-6 tocilizumabe.

“Uma perspectiva um tanto cínica é que houve todos esses estudos analisando as máquinas de costura de primeira linha... e aí vem isso, que está voltando ao uso de agulhas e linhas”, diz Libby Hohmann, professor associado de medicina e doenças infecciosas do Massachusetts General Hospital.

Os especialistas em doenças infecciosas assinalam uma série de perguntas que esperam que os dados finais respondam. Por exemplo, eles se perguntam sobre a alta taxa de mortalidade entre todos os pacientes no estudo RECOVERY - até 41% entre os que necessitam de ventiladores e 13% entre os que necessitam de oxigênio”, o que parece bastante surpreendente”, diz Hohmann.

H. Clifford Lane, diretor clínico dos Institutos Nacionais de Alergia e Doenças Infecciosas, que supervisiona os estudos da COVID-19 no NIH, não está necessariamente preocupado com a alta taxa de mortalidade, porque alguns grupos podem estar entrando no estudo com alto risco.

A capacidade de comparar populações “importa profundamente”, diz Kathryn Radigan, médica pulmonar e de cuidados intensivos do hospital Cook County Health de Chicago. Radigan afirma que analisa cada estudo que surge para determinar se os pacientes que respondem são semelhantes aos que ela está analisando em sua própria unidade de terapia intensiva.

Os médicos também gostariam de ter mais informações de quando, no decurso da doença, dar dexametasona. Por exemplo, administrá-lo muito cedo, quando o vírus está acelerando e o sistema imunológico precisa trabalhar para combatê-lo, pode ser contraproducente, observa Hohmann.

O estudo também levanta questões sobre se o esteroide deve ser usado com outros tratamentos. “Deveríamos adicionar dexametasona ao remdesivivir? Deveríamos estar reservando dexametasona para pessoas com certos marcadores inflamatórios?” Hohmann pergunta. “Essas são decisões realmente difíceis.”

Ela acrescenta que o Estudo de Tratamento Adaptativo Covid-19 do NIH, do qual ela faz parte, está considerando como combinar terapias que funcionam por diferentes mecanismos, como um antiviral e um anti-inflamatório.

E ainda que os dados sejam mantidos quando disponibilizados por meio de uma publicação revisada por especialistas, os especialistas em doenças infecciosas alertam que a dexametasona não é uma droga milagrosa, apenas outra ferramenta. “Temos um antiviral agora, o remdesivir, que tem algum grau de eficácia clínica em certas populações de pacientes; parece que agora podemos ter outro medicamento - um agente anti-inflamatório ”, diz Lane.

Ainda assim, a maioria é encorajada pela ideia de que um esteroide barato poderia ser outra ferramenta para médicos nas linhas de frente da pandemia de COVID-19. “A prova de fogo é: se eu adoecesse e estivesse no hospital, tomaria dexametasona?” Greene diz. “E acho que a resposta é sim - mas com certeza gostaria de ler o jornal primeiro.”

Essas traduções são parte da colaboração entre C&EN e a Sociedade Brasileira de Química. A versão original (em inglês) deste artigo está disponível aqui.

Advertisement
X

Article:

This article has been sent to the following recipient:

Leave A Comment

*Required to comment