ADVERTISEMENT
3 /3 FREE ARTICLES LEFT THIS MONTH Remaining
Chemistry matters. Join us to get the news you need.

If you have an ACS member number, please enter it here so we can link this account to your membership. (optional)

ACS values your privacy. By submitting your information, you are gaining access to C&EN and subscribing to our weekly newsletter. We use the information you provide to make your reading experience better, and we will never sell your data to third party members.

ENJOY UNLIMITED ACCES TO C&EN

Diagnostics

Os testes de antígeno da COVID-19 chegaram aos EUA, mas nem todos estão correndo para obtê-los

Os testes são menos confiáveis do que outros diagnósticos, e alguns grandes laboratórios afirmam que não os oferecerão imediatamente

by Megha Satyanarayana
June 8, 2020 | APPEARED IN VOLUME 98, ISSUE 22

09822-scicon50-swab-pt.jpg
Credit: Associated Press
Os testes de antígeno requerem amostras de pacientes, como zaragatoas nasais, como as usadas para os testes moleculares mostrados aqui.

Essas traduções são parte da colaboração entre C&EN e a Sociedade Brasileira de Química. A versão original (em inglês) deste artigo está disponível aqui.

O primeiro teste de COVID-19 que diagnostica uma infecção ativa pela detecção de proteínas de SARS-CoV-2 está agora disponível nos EUA, mas ainda não está claro quanta informação esses testes de antígeno adicionarão à medida que os profissionais de saúde tentam rastrear uma pandemia que mostra pouco sinal de redução.

A Quidel, uma empresa de San Diego especializada em testes de diagnóstico, recebeu uma Autorização de Uso de Emergência (EUA) da Food and Drug Administration dos EUA em 8 de maio para seu teste Sofia 2 SARS antígeno. Scott Gottlieb, ex-chefe do FDA, afirmou que um teste de antígeno estava disponível como algo “revolucionário” durante uma aparição na televisão logo após a autorização. Além do teste da Quidel, várias empresas estão trabalhando em testes de antígenos para uso nos EUA, e vários testes de antígenos já estão disponíveis fora dos EUA.

Gottlieb e outros declararam que a disponibilidade de testes de antígenos aceleraria os esforços para testar um amplo número de pessoas para a COVID-19, porque os diagnósticos são mais baratos e mais rápidos de realizar do que o teste molecular mais amplamente usado que detecta o RNA do SARS-CoV- 2, o coronavírus que causa a COVID-19.

Mas nem todos estão correndo para iniciar a detecção de antígenos. Nem a Quest Diagnostics nem a ARUP, dois dos maiores provedores de testes dos EUA, planejam oferecer os testes imediatamente, disseram funcionários da empresa à C&EN. Os testes de antígenos podem ser rápidos, diz Patricia Slev, diretora médica da ARUP, e podem ser baratos, mas não são tão confiáveis quanto os testes moleculares que os fornecedores nos EUA vêm usando desde o início da pandemia.

“Ensaios moleculares, em geral, são o método preferido”, diz ela. “São muito específicos. Em alguns casos, também são mais sensíveis. ” Nos testes de diagnóstico, a especificidade refere-se à taxa de falsos positivos que um teste produz e a sensibilidade indica a taxa de falsos negativos. Ambas as estatísticas definem a confiabilidade dos resultados de um diagnóstico.

A Quidel observa que seu teste não pode distinguir entre uma pessoa infectada com SARS-CoV-2 ou seu primo, SARS-CoV, outro coronavírus que causou surtos de síndrome respiratória aguda grave (SARS) em 2002-3. Felizmente, a SARS foi erradicada desde então em todo o mundo, e é improvável que esse vírus esteja circulando agora. A FDA observa que os testes de antígeno, em comparação com os testes de RNA, têm uma chance maior de falsos negativos; assim, ainda que receba um resultado negativo, uma pessoa pode ainda estar infectada.

Um teste típico de antígeno começa com a coleta de uma amostra de paciente. No caso do teste da Quidel, esta amostra é um cotonete do nariz ou na parte posterior do nariz e da garganta. Alguns testes de antígeno, como os usados para diagnosticar a infecção por Ebola ou HIV, utilizam sangue. No teste da Quidel, de acordo com a documentação enviada à FDA, a amostra do paciente é adicionada a uma solução que interrompe o vírus, liberando suas proteínas para reconhecimento pelo teste.

A solução resultante é adicionada a uma tira de teste. Se a solução contiver proteínas virais, elas viajam ao longo da faixa e eventualmente ficam presas por um único tipo de anticorpo, chamado anticorpo monoclonal, que reconhece um segmento específico da proteína nucleocapsídeo SARS-CoV. Também se espera que esse anticorpo se ligue ao mesmo segmento da proteína nucleocapsídica SARS-CoV-2, porque as proteínas são 90,5% idênticas em suas sequências de aminoácidos.

Os resultados do teste são lidos por um dispositivo que mede sinais de fluorescência. Não está claro como o teste da Quidel cria esse sinal de fluorescência - um porta-voz da empresa não respondeu aos pedidos de informações. Porém, testes de antígeno semelhantes normalmente usam um segundo anticorpo com uma molécula fluorescente ligada a ele. Este segundo anticorpo liga-se ao complexo antígeno-anticorpo.

Outros testes usam o que é chamado de anticorpos policlonais, diz Slev. Esses anticorpos têm o potencial de reconhecer uma proteína viral alvo em mais de um local, aumentando a probabilidade de um teste positivo. Entretanto, em comparação com os anticorpos monoclonais, eles também correm um risco maior de reatividade cruzada, que é quando um anticorpo liga-se a algo diferente do antígeno alvo, porque essa proteína fora do alvo tem uma sequência de aminoácidos semelhante que o anticorpo reconhece. Essa reatividade cruzada pode levar a falsos positivos, ou talvez a resultados inconclusivos, porque o sinal emitido pelo teste não é claro.

A Quidel relata que o teste é 100% específico e 80% sensível. Em 143 amostras de pacientes, havia zero falsos positivos e 12 falsos negativos.

Uma das preocupações que os especialistas têm sobre os testes de antígeno é que os níveis do vírus em alguns pacientes podem ser muito baixos para serem detectados, levando a falsos negativos. A Quidel testou zaragatoas com uma variedade de níveis virais e poderia detectar o vírus em todos eles, mas não está claro se esses níveis indicam que essas pessoas se recuperaram de uma infecção por SARS-CoV-2.

A Quidel não é a única empresa que desenvolveu um teste de antígeno. A Sino Biological afirma ser a primeira empresa do mundo a produzir um teste de antígeno. A OraSure Technologies, que desenvolveu um teste de antígeno para o Ebola, informou à Science que está desenvolvendo um para o SARS-CoV-2.

Slev diz que, assim como um teste rápido de Ebola, um teste de antígeno para a COVID-19 pode ser mais adequado para áreas com recursos limitados, onde o teste molecular é mais difícil de ser realizado devido à falta de acesso às máquinas adequadas para executá-lo. Agora, essa família de testes conclui a triagem dos testes de doenças infecciosas - testes de antígenos, testes de anticorpos e testes que detectam DNA ou RNA, que serão úteis no rastreamento da disseminação da COVID-19.

Acesse todo o conteúdo em português da C&EN em cenm.ag/portuguese.

Advertisement
X

Article:

This article has been sent to the following recipient:

Leave A Comment

*Required to comment