ADVERTISEMENT
2 /3 FREE ARTICLES LEFT THIS MONTH Remaining
Chemistry matters. Join us to get the news you need.

If you have an ACS member number, please enter it here so we can link this account to your membership. (optional)

ACS values your privacy. By submitting your information, you are gaining access to C&EN and subscribing to our weekly newsletter. We use the information you provide to make your reading experience better, and we will never sell your data to third party members.

ENJOY UNLIMITED ACCES TO C&EN

Persistent Pollutants

Os governos endossam a proibição global de PFOA, com algumas isenções

Restrições em vigor na espuma de combate a incêndios com PFOA, PFOS ou ambos

by Cheryl Hogue
May 6, 2019 | APPEARED IN VOLUME 97, ISSUE 19

09719-polcon50-foams-pt.jpg
Credit: Shutterstock
Sob um tratado internacional, os países estão proibindo o uso de espumas de combate a incêndio contendo PFOA ou PFOS em exercícios como este.

Acesse todo o conteúdo em português da C&EN em cenm.ag/portuguese.

Um fluoroquímico industrial amplamente utilizado que é ligado ao câncer e polui a água potável em todo o mundo está a caminho de uma eliminação progressiva global.

Mais de 180 países, incluindo a China, concordaram em 3 de maio de proibir a produção e uso de ácido perfluorooctanóico (PFOA), seus sais e compostos relacionados ao PFOA sob a Convenção de Estocolmo sobre poluentes orgânicos persistentes (POPs). A Agência Internacional de Pesquisa Em Câncer considera PFOA possivelmente carcinogênico para humanos. Exposição ao mesmo está também relacionada com perturbações hormonais.

Em uma reunião dos parceiros de Tratado da Convenção de Estocolmo em Genebra, os governos definiram isenções que permitem a continuação de algumas aplicações de PFOA, incluindo o uso em espumas de combate a incêndios—uma prática que contaminou o lençol freático em muitas áreas ao redor do globo. Toneladas destas espumas estão em armazenamento, a postos para ajudar socorristas apagar incêndios alimentados a petróleo. Algumas destas espumas também contêm outro fluoroquímico, ácido perfluoro-octanossulfônico (PFOS), que foi fortemente restrito por uma década, mas não proibido ao abrigo da Convenção de Estocolmo. Em sua recente reunião, os parceiros do Tratado concordaram em proibir o uso de espumas de combate a incêndio contendo PFOA ou PFOS em exercícios de treinamento e proibir a produção, importação ou exportação de espumas com produto químico ou ambos.

O grupo de indústria química FluoroCouncil tem pressionado para uma transição de PFOA para produtos químicos fluorados modernos que têm “perfis de saúde humana e ambientais reforçados,”, diz Jessica Bowman, diretor-executivo da organização. “Listagem PFOA no âmbito da Convenção de Estocolmo com isenções mínimas vai ajudar ainda mais esta transição globalmente.”

Os governos criaram uma isenção para a utilização de um produto químico relacionado com PFOA usado para produzir fármacos, diz Pamela Miller, copresidente de uma coalizão de grupos de interesse público, IPEN (Rede para a Eliminação de Contaminantes Orgânicos Persistentes). A substância é iodeto de perfluorooctilo, o que pode degradar a PFOA. É usado para produzir o brometo de perfluorooctilo, que é uma ajuda de transformação ao fazer alguns produtos farmacêuticos. Embora a isenção para iodeto de perfluorooctilo irá expirar até 2036, os parceiros do tratado vão revê-lo e potencialmente poderiam eliminá-lo antes disso, diz Miller a C&EN.

Os parceiros do Tratado também deram isenções globais de 5 anos para PFOA e seus primos químicos usados na fabricação de semicondutores, têxteis de proteção dos trabalhadores, dispositivos médicos e revestimentos fotográficos em filmes. Concederam isenções de PFOA adicionais para a China, a União Europeia, e Irã para o uso de PFOA na produção de fluoropolímeros, têxteis médicos e fios elétricos.

Além disso, os governos reduziram o número de usos permitidos para PFOS, seus sais e um composto relacionado, fluoreto de perfluoro-octanossulfonila, sob a Convenção de Estocolmo. Eles eliminaram isenções para estas substâncias em fluido hidráulico de aviação e outras aplicações especiais. No entanto, eles permitiram o uso de pesticida sulfluramida, que degrada em PFOS, para continuar sem nenhum prazo para a eliminação progressiva. Aplicado para controlar as formigas cortadeiras, o inseticida é feito no Brasil e usado em toda a América Latina e o Caribe, causando poluição de PFOS.

“O uso continuado de sulfluramida na agricultura sem limite de tempo protege as empresas químicas brasileiras, não a saúde humana e o ambiente,”, diz Fernando Bejarano do IPEN Hub para a América Latina e o Caribe.

Os EUA assinaram a Convenção de Estocolmo e participam das negociações relacionadas com o pacto, mas não é um parceiro oficial do Tratado.

Essas traduções são parte da colaboração entre C&EN e a Sociedade Brasileira de Química. A versão original (em inglês) deste artigo está disponível aqui.

X

Article:

This article has been sent to the following recipient:

Leave A Comment

*Required to comment