ADVERTISEMENT
2 /3 FREE ARTICLES LEFT THIS MONTH Remaining
Chemistry matters. Join us to get the news you need.

If you have an ACS member number, please enter it here so we can link this account to your membership. (optional)

ACS values your privacy. By submitting your information, you are gaining access to C&EN and subscribing to our weekly newsletter. We use the information you provide to make your reading experience better, and we will never sell your data to third party members.

ENJOY UNLIMITED ACCES TO C&EN

Water

Dessalinização solar supereficiente

Sistema aproveita o calor residual para produzir água potável suficiente para um adulto em uma hora

by Prachi Patel
February 24, 2020 | APPEARED IN VOLUME 98, ISSUE 8

09808-scicon50-device-pt.jpg
Credit: Massachusetts Institute of Technology
Um dispositivo de dessalinização movido a energia solar de 10 cm × 10 cm produziu 72 ml de água potável proveniente da água salgada em 4,5 horas quando testado em um telhado no MIT sob condições parcialmente nubladas. Em condições de exposição solar plena, o aparelho é capaz de purificar 5,8 litros por hora.

Acesse todo o conteúdo em português da C&EN em cenm.ag/portuguese.

Os dispositivos portáteis que utilizam luz solar para remover o sal da água do mar podem fornecer água potável a preços acessíveis a pessoas em áreas litorâneas remotas ou áridas. No entanto, as tecnologias de dessalinização que funcionam a energia solar sofrem com a baixa eficiência. Os pesquisadores agora revelam um sistema de dessalinização ultraeficiente e em várias etapas que pode produzir 5,8 litros de água doce por hora quando em exposição solar plena, isto é, quase três vezes a quantidade que os dispositivos similares desenvolvidos no passado são capazes de produzir (Energy Environ. Sci. 2020, DOI: 10.1039/C9EE04122B).

As usinas convencionais de dessalinização, que dependem de membranas, são caras ou consomem muita energia. A dessalinização térmica solar é uma opção menos dispendiosa, mas é ineficiente e requer imensos espelhos parabólicos para concentrar a luz sobre a água do mar a fim de evaporá-la. Nenhuma das tecnologias é adequada para áreas remotas ou com poucos recursos. Os dispositivos portáteis de dessalinização que funcionam a energia solar resolvem este problema. Eles normalmente utilizam materiais menos dispendiosos que absorvem a luz solar e que aquecem e fazem evaporar a água do mar. Os vapores são coletados em um condensador, que capta a água doce. Os melhores sistemas são capazes de converter mais de 90% da energia solar para gerar vapor de água.

Agora, Evelyn Wang, do MIT, Ruzhu Wang, da Universidade Jiao Tong de Xangai, e seus colegas desenvolveram um sistema em várias etapas que vai muito além disso, ostentando uma eficiência de 385% quando testado sob condições ideais. Isso é possível por meio da reutilização do calor que é liberado quando o vapor de água se condensa em líquido. Esse é o primeiro sistema a tirar partido dessa energia, que normalmente é desperdiçada.

O dispositivo contém 10 estruturas de náilon idênticas impressas em 3D empilhadas e dispostas verticalmente sobre um reservatório de água. Cada estrutura tem um papel-toalha que funciona como evaporador e uma película de alumínio que serve como condensador. Do lado da pilha que fica voltado para o sol, os pesquisadores posicionaram um absorvedor solar preto que aquece e faz evaporar a água acumulada no papel-toalha. À medida que os vapores são condensados na película de alumínio, o calor liberado é canalizado para a segunda camada de papel-toalha, com o processo se repetindo ao longo da pilha. Tal abordagem em várias etapas vem sendo usada em usinas de dessalinização solar térmica em larga escala, afirma Lenan Zhang, orientando de pós-graduação de Wang. “Transferimos essa ideia para um design portátil.”

No laboratório, o dispositivo de 10 cm × 10 cm é capaz de produzir 5,8 l de água por hora. Em condições menos que ideais, no telhado do MIT durante o verão, o desempenho do dispositivo foi menor, cerca de 50%, devido às nuvens ocasionais e ao vento. No telhado, o dispositivo foi capaz de produzir 72 ml de água em 4,5 horas. Para atender às necessidades médias diárias de água de um adulto ou de uma família pequena, pode-se criar um conjunto de dispositivos de várias etapas, afirma Zhang.

A equipe agora quer otimizar o dispositivo e reduzir ainda mais o custo do material. O protótipo custa atualmente cerca de US$ 1,50, mas 70% desse custo corresponde às molduras de náilon impressas em 3D, afirma Zhang, havendo, portanto, possibilidade de melhorias.

Esta é uma abordagem altamente eficiente e econômica para a dessalinização solar, afirma Hadi Ghasemi, engenheiro mecânico da Universidade de Houston. “Este trabalho aproxima o conceito de localização de calor solar de uma implementação em larga escala.” O uso de diferentes materiais de absorção com características antideposição contribui para um desempenho consistente desse dispositivo a longo prazo, afirma.

Essas traduções são parte da colaboração entre C&EN e a Sociedade Brasileira de Química. A versão original (em inglês) deste artigo está disponível aqui.

X

Article:

This article has been sent to the following recipient:

Leave A Comment

*Required to comment