ADVERTISEMENT
3 /3 FREE ARTICLES LEFT THIS MONTH Remaining
Chemistry matters. Join us to get the news you need.

If you have an ACS member number, please enter it here so we can link this account to your membership. (optional)

ACS values your privacy. By submitting your information, you are gaining access to C&EN and subscribing to our weekly newsletter. We use the information you provide to make your reading experience better, and we will never sell your data to third party members.

ENJOY UNLIMITED ACCES TO C&EN

Vaccines

A CanSino publica os primeiros dados da vacina para a COVID-19 para resposta silenciosa

A empresa chinesa de vacinas está avançando com ensaios clínicos na China e no Canadá, apesar dos resultados mistos de seu estudo de Fase I

by Ryan Cross
June 1, 2020 | APPEARED IN VOLUME 98, ISSUE 21

09821-scicon50-vials-pt.jpg
Credit: CanSino
Cada frasco da vacina experimental para a COVID-19 da CanSino contém 50 bilhões de adenovírus manipulados.

Acesse todo o conteúdo em português da C&EN em cenm.ag/portuguese.

Em 16 de março, a CanSino Biologics da China se tornou a primeira empresa do mundo a iniciar um estudo clínico de uma vacina projetada para proteger contra infecções por SARS-CoV-2, o novo coronavírus que causa a COVID-19. Menos de 10 semanas depois, a empresa alcançou outra novidade na corrida global de vacinas: publicação de dados revisados por pares avaliando a segurança e imunogenicidade de uma vacina para a COVID-19.

A vacina da CanSino usa um adenovírus geneticamente modificado, chamado vetor adenoviral, para entregar o gene que codifica a proteína de pico SARS-CoV-2 nas células humanas. O SARS-CoV-2 usa essa proteína para infectar células. Os cientistas esperam que as proteínas produzidas a partir da vacina deem ao nosso sistema imunológico alguma prática alvo, para que possamos interromper rapidamente uma infecção pelo vírus real.

No estudo de segurança de Fase I da empresa, 108 pessoas receberam uma das três doses da vacina. A maioria das pessoas desenvolveu respostas imunes, medidas pelos níveis de anticorpos e células T que têm como alvo a proteína de pico.

Entretanto, os cientistas fazem uma distinção entre anticorpos que simplesmente se ligam à proteína de pico e aqueles que impedem a infecção: os chamados anticorpos neutralizantes. Eles acreditam que o desenvolvimento de anticorpos neutralizantes é uma etapa crucial que nosso corpo deve tomar para impedir que o vírus se estabeleça em primeiro lugar.

A CanSino mediu as concentrações de anticorpos neutralizantes que impediam o vírus de infectar células humanas cultivadas em uma cápsula. Apenas 75% das pessoas que receberam a dose alta e 50% das pessoas que receberam uma dose média ou baixa da vacina desenvolveram níveis de anticorpos neutralizantes considerados altos pelos pesquisadores (Lancet 2020, DOI: 10.1016/S0140-6736(20)312083).

Ninguém sabe que níveis de anticorpos neutralizantes são necessários para proteger contra a infecção por SARS-CoV-2, explica Dennis Burton, imunologista da Scripps Research, mas os níveis induzidos pela vacina da CanSino “não são de nenhuma forma esmagadores”.

“Não é ótimo, mas é melhor que nada”, diz Hildegund C.J. Ertl, uma cientista que desenvolve e estuda vacinas de vetores adenovirais no Instituto Wistar, na Filadélfia. Ela afirma que as respostas dos anticorpos são “um pouco decepcionantes”, principalmente nos participantes mais antigos do estudo, com idades entre 45 e 60 anos, com menor probabilidade de desenvolver anticorpos neutralizantes.

Há outro problema. A vacina de vetor adenoviral da CanSino é baseada no Ad5, um adenovírus prevalente que causa o resfriado comum. Muitas pessoas previamente infectadas com Ad5 têm altos níveis de anticorpos neutralizantes direcionados ao Ad5, incluindo cerca de metade das pessoas no estudo da CanSino. Esses participantes eram menos propensos a ter fortes respostas de anticorpos à vacina.

Doses mais altas das vacinas podem superar os anticorpos neutralizantes do Ad5. Mas Ertl alerta que altas doses de vetores adenovirais podem ser tóxicas. “E estavam pressionando o limite”, diz ela. A CanSino decidiu suspender a dose alta devido a preocupações de segurança. As doses baixas e médias estão sendo comparadas a um placebo no estudo de fase II da empresa, com 500 pessoas, iniciado em abril.

A maioria das pessoas, 81%, experimentou pelo menos um efeito colateral importante da vacina, como dor de cabeça, dor muscular, fadiga, febre e dor muscular. Embora algumas reações sejam esperadas de uma vacina com vetor adenoviral, diz Ertl, cerca de 9 pessoas desenvolveram febre severa, incluindo 5 que receberam a alta dose da vacina.

A resposta da cientista e do investidor ao estudo da CanSino foi silenciada, particularmente em comparação com o anúncio da vacina para a COVID-19 da Moderna em 18 de maio. A empresa de biotecnologia de Cambridge, Massachusetts, disse que todas as 45 pessoas em seu estudo desenvolveram anticorpos contra o vírus após a vacinação, e que as 8 pessoas testadas até agora tinham anticorpos neutralizantes. A notícia foi manchete em todos os lados e levantou as ações da Moderna, mas também foi criticada pelos cientistas porque a empresa não divulgou nenhum dado.

“A China foi a primeira a publicar. É algo que devemos levar muito a sério ”, diz Brad Loncar, CEO da Loncar Investments e criador de um fundo de investimento em biotecnologia chinês. “Mais do que qualquer outro país, eles querem vencer a corrida às vacinas.”

Em 2017, o governo chinês aprovou a vacina contra o Ebola da CanSino, baseada no Ad5, para uso emergencial e armazenamento nacional. A vacina foi testada apenas em um estudo de Fase II e não em um grande estudo de Fase III, que os reguladores normalmente exigem para provar sua eficácia. “É um sinal da independência da China quando se trata de coisas assim”, diz Loncar.

Hoje, nenhuma vacina de vetor adenoviral tem eficácia comprovada em seres humanos. A única vacina aprovada fora da China é usada pelo governo canadense para impedir a propagação da raiva em animais selvagens. O Conselho Nacional de Pesquisa do Canadá, que ajudou a fabricar a vacina contra a raiva, disse recentemente que começará a fabricar a vacina para a COVID-19 da CanSino.

Espera-se que os ensaios clínicos dessa vacina comecem em breve no Canadá, o que tornaria o programa de vacinas para a COVID-19 mais avançado naquele país.

Entre outras empresas que desenvolvem vacinas de vetores adenovirais para a COVID-19, a ImmunityBio diz que usa uma versão do Ad5 projetada para contornar o problema de imunidade pré-existente. A empresa anunciou recentemente que foi selecionada para participar da Operação Warp Speed, a iniciativa do governo dos EUA de desenvolver e fabricar centenas de milhões de vacinas para a COVID-19 antes do final do ano. A ImmunityBio espera que o primeiro ensaio clínico de sua vacina comece em junho.

O governo dos EUA também está financiando outras duas vacinas de vetores adenovirais que usam alternativas ao Ad5. A Johnson & Johnson está desenvolvendo uma vacina usando o Ad26, um adenovírus menos prevalente. A AstraZeneca está desenvolvendo uma vacina desenvolvida e testada por cientistas da Universidade de Oxford. Ela usa um adenovírus que normalmente infecta chimpanzés, mas não humanos.

Essas vacinas são desenvolvidas para evitar anticorpos neutralizantes do Ad5, que Ertl adverte que provavelmente reduzirão a eficácia da vacina da CanSino em muitas partes do mundo. Cerca de 50% das pessoas nos EUA e 80 a 90% das pessoas em algumas partes da África têm altos níveis de anticorpos neutralizantes do Ad5. Menos pessoas têm anticorpos neutralizantes ao Ad26, embora cerca de 50% das pessoas em partes da África Subsaariana e do Sudeste Asiático tenham.

Ertl está otimista de que a vacina de Oxford não enfrentará esses problemas. “A maioria das pessoas não possui anticorpos neutralizantes para adenovírus de chimpanzés.”

Ainda assim, alguns observadores afirmam que a vacina da CanSino ainda pode ser útil para retardar a pandemia. “Pode haver um grande mercado para isso em pessoas mais jovens e saudáveis”, diz Loncar. “Eu não diria que este foi um evento grandioso, mas também não o descartaria. A melhor maneira de descrever isso é mista.”

Essas traduções são parte da colaboração entre C&EN e a Sociedade Brasileira de Química. A versão original (em inglês) deste artigo está disponível aqui.

X

Article:

This article has been sent to the following recipient:

Leave A Comment

*Required to comment