ADVERTISEMENT
3 /3 FREE ARTICLES LEFT THIS MONTH Remaining
Chemistry matters. Join us to get the news you need.

If you have an ACS member number, please enter it here so we can link this account to your membership. (optional)

ACS values your privacy. By submitting your information, you are gaining access to C&EN and subscribing to our weekly newsletter. We use the information you provide to make your reading experience better, and we will never sell your data to third party members.

ENJOY UNLIMITED ACCES TO C&EN

Drug Development

O remdesivir da Gilead obtém autorização de uso emergencial com base em dados preliminares da COVID-19

Resultados limitados de um estudo do NIAID sugerem que o medicamento ajuda pessoas com COVID-19 a se recuperarem mais rapidamente

by Lisa M. Jarvis , with reporting by Megha Satyanarayana
April 29, 2020 | APPEARED IN VOLUME 98, ISSUE 17

09817-scicon50-fauci-pt.jpg
Credit: AP
O diretor do NIAID, Anthony Fauci, detalhou os resultados de um ensaio clínico do antiviral remdesivir em 29 de abril.

Acesse todo o conteúdo em português da C&EN em cenm.ag/portuguese.

O remdesivir, antiviral experimental da Gilead Sciences, ajudou pessoas com COVID-19 a se recuperarem mais rapidamente, de acordo com dados limitados divulgados em um estudo liderado pelo Instituto Nacional de Alergias e Doenças Infecciosas dos EUA. Os dados foram suficientes para a Administração de Medicamentos e Alimentos dos EUA conceder ao medicamento experimental uma autorização de uso de emergência (AUE), um status que permitirá que ele seja usado pelos médicos que tratam a COVID-19 e que seja adicionado aos estoques do governo.

Estabelecidas em 2004, as AUEs aceleram o desenvolvimento e o armazenamento de diagnósticos, terapêuticos e vacinas em meio a uma crise. Embora não seja uma aprovação completa do FDA, ele permite que médicos e hospitais usem o remdesivir para combater a pandemia. O FDA já concedeu AUEs aos tratamentos antimaláricos com cloroquina e hidroxicloroquina, mas como a evidência da eficácia e segurança desses medicamentos na COVID-19 é escassa, muitos esperam que o remdesivir se torne o novo padrão de atendimento a pacientes hospitalizados.

O estudo do NIAID, que faz parte dos Institutos Nacionais de Saúde, é considerado a mais alta qualidade entre os inúmeros ensaios da Fase III que testam a eficácia do remdesivir contra o COVID-19, a doença causada pelo novo coronavírus. Ao contrário da maioria dos outros estudos, ele inclui um grupo-controle, uma parte do desenho experimental de um estudo da qual os cientistas dependem para ter um sinal claro do valor de um tratamento. O estudo envolveu 1.063 pessoas, 20% das quais receberam o atendimento padrão, ao invés de remdesivir.

C&EN has made this story and all of its coverage of the coronavirus epidemic freely available during the outbreak to keep the public informed. To support our journalism, become a member of ACS or sign up for C&EN's weekly newsletter.

O objetivo primário do estudo, realizado em hospitais de vários países, foi “tempo de recuperação”, uma métrica que o NIH diz ser tipicamente usada para medir a eficácia em estudos sobre tratamentos de gripe.

O chefe do NIAID, Anthony Fauci, anunciou os resultados, que ainda precisam ser revisados por pares, em uma conferência de imprensa. Ele disse que eles sugerem que o remdesivir pode reduzir a recuperação da COVID-19 de 15 para 11 dias. E a droga pode estar ajudando as pessoas a sobreviverem à infecção: 8,0% das pessoas no grupo que receberam remdesivir morreram, em comparação com 11,6% no grupo placebo.

Os dados de dois outros estudos de Fase III também foram divulgados hoje, embora não apoiem os resultados positivos do estudo do NIAID. A Gilead disse que um estudo com pessoas com COVID-19 grave não encontrou diferença entre dois cursos de tratamento diferentes - 5 dias versus 10 dias. Esse estudo não possuía um grupo-controle, dificultando afirmar se o medicamento melhorou as taxas de sobrevivência ou ajudou as pessoas a se recuperarem mais rapidamente.

Enquanto isso, o Lancet publicou resultados de um estudo de Fase III realizado na China. Nesse estudo controlado com placebo, o remdesivir não ofereceu benefício em relação a um placebo em pessoas com formas graves da doença.

Robert Atmar, médico de doenças infecciosas do Baylor College of Medicine, que foi um dos muitos locais envolvidos no ensaio do NIAID, questionou a força dos dados da China. A inscrição no ensaio - 237 pessoas em vez das 400 previstas - ficou aquém do necessário para estudar a eficácia do medicamento, diz ele.

Atmar diz que os dados do estudo do NIAID sugerem que o remdesivir é promissor, mas não uma panaceia: 8% das pessoas no ensaio morreram. Ele prevê que os hospitais usarão o medicamento agora que ele recebeu uma AUE.

Um desafio para os médicos é que o NIAID ainda não divulgou detalhes sobre quais pacientes se beneficiaram mais do remdesivir. Até que os médicos saibam mais, a Atmar pensa que eles continuarão sendo administrados em pacientes hospitalizados que mais se aproximam dos do estudo: pessoas que têm doença pulmonar, mas não sofrem danos a outros órgãos.

Enquanto especialistas em doenças infecciosas veem o medicamento como apenas o primeiro de muitos necessários para combater o SARS-CoV-2, os dados são a confirmação de que um antiviral de ação direta pode derrubar um coronavírus em pessoas, diz Mark Denison, especialista em coronavírus e diretor da divisão de doenças infecciosas da Vanderbilt University School of Medicine. O laboratório de Denison e seus colaboradores da Universidade da Carolina do Norte realizaram o trabalho pré-clínico, mostrando que o remdesivir, um inibidor da RNA polimerase, poderia impedir a replicação dos coronavírus.

“Ele diz que esses tipos de compostos direcionados à RNA polimerase podem ser úteis”, diz Denison, que não esteve envolvido nos ensaios. Ele observa que os resultados são um bom presságio para o EIDD-2801, um inibidor da RNA polimerase oral que foi desenvolvido pela Universidade Emory e recentemente entrou em estudos clínicos.

Denison também espera que os dados positivos permitam que os médicos usem remdesivir em vez de placebos em outros estudos com COVID-19, permitindo-lhes entender o quão bem o medicamento bloqueia a progressão da doença, se pode prevenir complicações como trombose e se pode ser combinado com outros tratamentos.

Entretanto, junto com as boas notícias, vêm advertências. O remdesivir é uma droga intravenosa, o que significa que seu uso provavelmente será limitado na pandemia atual àqueles doentes o suficiente para serem hospitalizados. Além disso, a Gilead ainda está trabalhando para aumentar a produção. Até o final de maio, a empresa espera ter feito cerca de 140 mil cursos de tratamento para um regime de 10 dias. Ao aumentar a capacidade interna e terceirizar, a empresa espera fazer 500.000 cursos adicionais até outubro, 1 milhão de cursos até o final do ano e, se necessário, vários milhões de cursos em 2021.

Os médicos enfatizam que o mundo ainda tem um longo caminho a percorrer antes que possamos retornar à vida normal. “Não importa quão boa seja essa droga, estamos tentando colocar o carvão em torno de uma fogueira gigante”, diz Denison. O remdesivir não impedirá a propagação do vírus e “não nos impedirá de ter um pacto social que nos permita trabalhar juntos para tentar superar isso”.

Essas traduções são parte da colaboração entre C&EN e a Sociedade Brasileira de Química. A versão original (em inglês) deste artigo está disponível aqui.

Advertisement
X

Article:

This article has been sent to the following recipient:

Leave A Comment

*Required to comment