ADVERTISEMENT
2 /3 FREE ARTICLES LEFT THIS MONTH Remaining
Chemistry matters. Join us to get the news you need.

If you have an ACS member number, please enter it here so we can link this account to your membership. (optional)

ACS values your privacy. By submitting your information, you are gaining access to C&EN and subscribing to our weekly newsletter. We use the information you provide to make your reading experience better, and we will never sell your data to third party members.

ENJOY UNLIMITED ACCES TO C&EN

Chemical Bonding

Químicos usam manipulação atômica para empurrar ciclo[18]carbono à existência

Microscopia de sonda ajuda pesquisadores a criar e visualizar um alótropo de carbono que foi previsto pela primeira vez na década de 80

by Laura Howes
August 26, 2019 | APPEARED IN VOLUME 97, ISSUE 33

 

09733-scicon50-structureweb.jpg
Credit: IBM Research
Os químicos começaram com um precursor de anéis múltiplos (à esquerda) e usaram pulsos de tensão para extrair moléculas de monóxido de carbono para formar intermediários (centro esquerdo e direito) no caminho para produzir ciclo[18]carbono (direita). Imagens do MFA (abaixo) indicaram que o alótropo de carbono tinha simetria nônupla.

Acesse todo o conteúdo em português da C&EN em cenm.ag/portuguese.

Após cerca de 30 anos tentando diferentes abordagens para produzir um alótropo previsto de carbono, os químicos finalmente o fizeram com um pouco de manipulação atômica. O resultado é um anel de 18 átomos de carbono unidos por ligações simples e triplas (Science 2019, DOI: 10.1126/science.aay1914).

“É um alótropo e uma molécula, e é por isso que essa síntese é tão sensacional”, diz Rik Tykwinski, físico químico orgânico da Universidade de Alberta, que não participou do trabalho.

Na mesma época em que os químicos descobriram e caracterizaram outro alótropo de carbono, fulerenos, cálculos sugeriram que moléculas de carbono menores poderiam existir teoricamente como anéis - os chamados ciclo[n]carbonos. Mas, sem serem capaz de produzir, isolar e caracterizar as moléculas, os químicos só podiam especular sobre suas propriedades, como a forma como os átomos de carbono seriam ligados. Os pesquisadores agora conseguiram criar e caracterizar a estrutura do ciclo[18]carbono. Sua síntese combinou técnicas em nível atômico com moléculas precursoras que os químicos usaram para tentar fazer o alótropo nos anos 80.

Em 2016, Leo Gross e seus colegas de trabalho na IBM Research-Zurich demonstraram como eles poderiam usar pulsos de tensão da ponta da agulha de um microscópio de corrente de tunelamento para quebrar ligações em uma molécula, uma por uma, e depois inspecionar o que haviam feito por microscopia de força atômica (MFA). Quando Przemyslaw Gawel, um pós-doutorando no laboratório de Harry Anderson na Universidade de Oxford, viu Gross apresentar esse trabalho em uma conferência, ele viu uma oportunidade de usar a técnica da IBM para obter os anéis de carbono previstos. Gawel se apresentou e os dois grupos começaram a colaborar para construir o alótropo cíclico.

“Com minha formação em física, posso entender que é muito importante estudar e estabilizar um novo alótropo de carbono”, diz Gross. Mas ele acrescenta que ficou surpreso e contente com a facilidade do alótropo. “Fazer esta molécula parecia um tiro no escuro”, ele admite.

Ao trabalhar em modelos de sistemas para este projeto, a equipe primeiro mostrou que eles poderiam empurrar alcenos para se juntarem e formarem um fio molecular (Nat. Chem., 2018, DOI: 10.1038/s41557-018-0067-y). No novo trabalho, Katharina Kaiser, uma aluna de doutorado da IBM, usou o método para extrair moléculas de monóxido de carbono de um precursor de anéis múltiplos para, eventualmente, produzir ciclo[18]carbono. “É muito mais fácil quebrar coisas do que fazer coisas”, diz Gross. Ele acrescenta que o grupo deseja usar esse anel e seus precursores como blocos de construção moleculares para moléculas personalizadas e eletrônica molecular.

Kaiser também usou o AFM para explorar a estrutura da molécula e descobriu que a molécula tem simetria nônupla. A combinação dessa observação com cálculos permitiu à equipe determinar que o ciclo[18]carbono é composto de uma sequência alternada de ligações simples e triplas, em vez da alternativa, um anel contínuo de ligações duplas.

Na década de 1980, quando ele era um estudante de doutorado na Universidade da Califórnia, Los Angeles, tentando produzir ciclo[18]carbono, Yves Rubin sintetizou as moléculas precursoras que a equipe ressuscitou para seu novo trabalho. Agora, de volta à UCLA como líder de grupo, Rubin ainda está trabalhando em moléculas ricas em carbono. Ele diz que o trabalho é “um resultado muito esperado”.

Tykwinski concorda, comparando a descoberta à dos fulerenos. “Este é um estudo bem inteligente, um marco na química de carbono.”

Essas traduções são parte da colaboração entre C&EN e a Sociedade Brasileira de Química. A versão original (em inglês) deste artigo está disponível aqui.

X

Article:

This article has been sent to the following recipient:

Leave A Comment

*Required to comment