ADVERTISEMENT
2 /3 FREE ARTICLES LEFT THIS MONTH Remaining
Chemistry matters. Join us to get the news you need.

If you have an ACS member number, please enter it here so we can link this account to your membership. (optional)

ACS values your privacy. By submitting your information, you are gaining access to C&EN and subscribing to our weekly newsletter. We use the information you provide to make your reading experience better, and we will never sell your data to third party members.

ENJOY UNLIMITED ACCES TO C&EN

Lab Safety

Agentes de acoplamento de peptídeos podem causar reações alérgicas graves

Pesquisadores podem desenvolver sensibilidades aos compostos, ao ponto de causar anafilaxia

by Leigh Krietsch Boerner
January 13, 2020 | APPEARED IN VOLUME 98, ISSUE 2

09802-scicon50-hives-pt.jpg
Credit: J. Org. Chem.
Urticária alérgica a agentes de acoplamento de peptídeos de urânio que McKnelly desenvolveu após um teste de alergia. A histamina à esquerda é um controle e mostra como é uma reação alérgica.

Acesse todo o conteúdo em português da C&EN em cenm.ag/portuguese.

Se você é um químico que trabalha com agentes de acoplamento de peptídeos, pode literalmente tornar-se alérgico ao laboratório, de acordo com um novo relatório. Ao longo de três anos, a estudante de graduação Kate McKnelly, da Universidade da Califórnia, Irvine, desenvolveu uma alergia aos agentes de acoplamento HATU, HBTU e HCTU tão severa que ela não podia mais estar no prédio onde são usados. Ela e seu orientador de pesquisa James Nowick descobriram que sua alergia aos agentes de acoplamento de urânio não é um incidente isolado e que muitos reagentes de acoplamento de peptídeos são sensibilizadores e devem ser manuseados com extremo cuidado (J. Org. Chem. 2019, DOI: 10.1021/acs.joc.9b03280).

Os agentes de acoplamento de peptídeos ajudam a formar ligações amidas entre um ácido carboxílico e uma amina, de modo que os compostos tenham o potencial de modificar proteínas humanas. Essa propriedade torna os agentes potenciais sensibilizadores, substâncias químicas que podem fazer com que as pessoas regularmente expostas a eles desenvolvam alergia. “Isso é algo que circula como uma anedota e na literatura toxicológica, mas não foi publicado em lugares comuns aos químicos orgânicos”, diz Nowick. Os autores encontraram cerca de 10 outros exemplos da alergia na literatura de toxicologia, mas não têm números exatos sobre quão comum é a alergia.

Após anos de se expor repetidamente aos agentes, McKnelly precisa carregar epinefrina, não pode mais trabalhar no laboratório e precisa pedir aos colegas de laboratório que troquem de roupa antes de entrar em contato com ela. No início, McKnelly não sabia de onde vinham os sintomas, mas começou a suspeitar de algo no laboratório depois de perceber suas reações enquanto pesava os reagentes de acoplamento no laboratório. “Às vezes eu espirrava ou meu nariz ficava escorrendo”, diz ela, mas estava tentando não tirar conclusões precipitadas. “Eu realmente não tinha certeza até ter minha reação anafilática.”

Um dia, quando McKnelly se sentou em seu escritório ao lado do laboratório, sua garganta começou a se contrair e ela começou a chiar. Ela ficou bem depois de sair do laboratório e tomar difenidramina (Benadryl genérico), mas, em retrospectiva, ela deveria ter ligado para o 911, dizem ela e Nowick.

Desde o incidente, Nowick instituiu novas regras de segurança para o manuseio de agentes de acoplamento de peptídeos no laboratório. Agora eles têm uma capela dedicada, onde os pesquisadores pesam os agentes de acoplamento e aminoácidos e descartam qualquer papel de pesagem contaminado ou outro resíduo. Outro membro do laboratório também mostrou sinais de alergia a agentes de acoplamento de peptídeos, mas o detectou cedo e conseguiu controlá-lo limitando seu uso e fazendo com que colegas de laboratório pesassem o composto, diz McKnelly. Ela agora mudou seu foco para o ensino, porque seu alergista disse que provavelmente não é seguro trabalhar em laboratório novamente, embora isso não seja necessariamente devido à presença de reagentes de acoplamento de peptídeos. “Meus pulmões são sensíveis agora, então qualquer irritante pode provocar uma reação”, diz McKnelly. “Infelizmente, a maioria dos laboratórios tem substâncias irritantes.”

Este é um evento trágico para McKnelly, mas é bom que os pesquisadores tenham publicado esse caso, diz Craig Merlic, químico orgânico da Universidade da Califórnia, Los Angeles, e diretor executivo do Centro de Segurança Laboratorial da Universidade da Califórnia. Os sensibilizadores químicos atualmente não estão na lista de produtos químicos com os quais os especialistas em segurança normalmente treinam, mas provavelmente deveriam ser adicionados, diz ele. Uma alergia como essa é um “incidente que muda completamente a vida de um pesquisador, e o artigo apresenta os problemas clínicos, mas certamente há desafios pessoais para a mulher que devem ser substanciais”.

Merlic aplaude os passos que o laboratório de Norwick tomou para reduzir a exposição dos membros do laboratório a esses agentes de acoplamento de peptídeos, mas parece um bom começo, e não o máximo que eles podem fazer. Ele sugere etapas adicionais, como lavagem semanal de jalecos, limpeza do laboratório e protocolos de neutralização e hidrólise para destruir os agentes de acoplamento de urânio.

“Eu realmente não quero que isso aconteça com mais ninguém”, diz McKnelly. “Se eu não fosse tão orientada para o ensino quanto sou, isso poderia ter sido prejudicial para minha carreira como química.” Ela observa que as pessoas que trabalham com esses compostos precisam se proteger. O HATU, o HBTU e o HCTU não foram indicados para testes pelo Programa Nacional de Toxicologia dos EUA, mas ela diz que pretende indicá-los.

Essas traduções são parte da colaboração entre C&EN e a Sociedade Brasileira de Química. A versão original (em inglês) deste artigo está disponível aqui.

Advertisement
X

Article:

This article has been sent to the following recipient:

Leave A Comment

*Required to comment